Imprimir esta página
Intelectuais lançam manifesto em defesa da soberania do voto popular Rute Pina
06
Outubro

Intelectuais lançam manifesto em defesa da soberania do voto popular

Escrito por 
Publicado em Brasil

 

“A democracia brasileira está em perigo. Para completar o golpe parlamentar, os atuais detentores do poder discutem a ideia de costurar um remendo parlamentarista ou adiar a eleição presidencial de 2018. Há tentativas de impedir a plena representação das camadas populares. Tudo isso é inaceitável”, diz o texto, que complementa o manifesto do Projeto Brasil Nação, organizado por Bresser-Pereira.


O lançamento do documento aconteceu na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo e contou com a presença do próprio Bresser-Pereira, do ex-ministro Celso Amorim e do historiador Luiz Felipe de Alencastro.

“O que está em crise é a nação brasileira. Precisamos mostrar que há uma alternativa [ao liberalismo] de desenvolvimento econômico”, defendeu Celso Amorim, enfatizando que o momento exige a construção de bandeiras convergentes que possam unificar os diversos setores da sociedade. Ele não descartou a realização de um encontro conjunto até o final do mês com essas forças.

“Nossos critérios são as ideias, os valores”, acrescentou Bresser-Pereira. “Todo o argumento do outro lado é que apenas o liberalismo resolve, o que é historicamente absurdo”, frisou.

O documento ainda critica a proposta de mudança do sistema político de presidencialista para parlamentarista e rechaça o adiamento da eleição presidencial de 2018.

De acordo com Bresser-Pereira, a proposta seria “impensável”, “non sense”. Ele reforçou que a democracia “empodera o povo” e deve ser defendida por todos.


“Nós sabemos que o capitalismo financeiro-rentista não é democrático. Ele não quer instalar a ditadura porque sabe que é muito perigoso, mas tem muito medo da democracia. Então, ele procura neutralizar de todas as formas o poder popular”, pontuou.


Já o professor e historiador Alencastro enfatiza que as eleições presidenciais em dois turnos possibilitam um “debate nacional”, além de garantir maioria absoluta ao candidato vencedor, evitando questionamentos sobre a legitimidade do processo ou sobre o resultado.


Confira a íntegra do manifesto:

 
Nós, que, em abril deste ano, assinamos o manifesto do Projeto Brasil Nação, voltamos aos brasileiros para defender a manutenção de eleição presidencial direta e irrestrita.

 

A democracia brasileira está em perigo. Para completar o golpe parlamentar, os atuais detentores do poder discutem a ideia de costurar um remendo parlamentarista ou adiar a eleição presidencial de 2018. Há tentativas de impedir a plena representação das camadas populares. Tudo isso é inaceitável.

 

A eleição presidencial direta representa o momento alto da nossa vida política brasileira. Ao longo das lutas republicanas, as eleições presidenciais, fortalecidas pelos dois turnos que garantem a maioria absoluta ao presidente eleito, se transformaram no momento político da afirmação na identidade nacional.

 

Na diversidade de suas regiões, de seus sotaques, de suas crenças, os eleitores arbitram o debate democrático sobre os destinos do país. No século 19, o Brasil foi o único agregado colonial da América que não se fragmentou na Independência. Na segunda metade do século 20, o Brasil se urbanizou, se expandiu para o Centro-Oeste e para o Norte. Desenvolveu sua indústria, criou a Petrobras e o BNDES, investiu em ciência e tecnologia. Padeceu a opressão ditatorial e reconquistou a liberdade.

 

Ampliada e consolidada na Constituição de 1988, a democracia republicana transformou a carcaça autoritária e oligárquica herdada do Império num vibrante Estado-nação. Nesse processo, a eleição presidencial permitiu que a maioria social se transformasse em maioria política.

 

Na contramão dessa conquista, o atual governo impõe uma política radicalmente oposta à decisão soberanamente expressa pelos eleitores no escrutínio de 2014. A eleição presidencial de 2018 é a condição essencial para que o governo recupere legitimidade e possa liderar um projeto de desenvolvimento nacional.

 

A diversidade e a liberdade de nosso país, a esperança dos que participaram da transformação da maioria social em maioria política, formam uma poderosa barreira contra o autoritarismo. Mas, no curto prazo, a perplexidade dos brasileiros diante da ambição de políticos sem voto, do sentimento de impunidade e de um programa antipopular e antinacional proposto pela grande finança e seus aliados favorece as manobras contra a democracia, contra a eleição presidencial direta, contra o sufrágio verdadeiramente integrador da nacionalidade.

 

Eleição presidencial direta e irrestrita em 2018!

Última modificação em Sexta, 06 Outubro 2017 18:58
Avalie este item
(0 votos)